22 Novembro 2014

Calma, não é por ter matado alguém...

Foi apenas detido, não foi votado democraticamente para beber sequer a cicuta. (*)
(*) para quem não sabe, e tanta gente tuga não sabe tanta coisa, o filósofo celebrado da Atenas berço da Democracia foi votado pelo Povo para se envenenar - há quase  2500 anos!

21 Novembro 2014

Dos deputedos ao despautério: os heróis deste mar onde a ética se afoga

 
 
A melhor maneira de entender este mix é a parafernália de opiniões à volta dos direitos da Champions:
na RTP o ex-toxicodependente Morais Sarmento defende a opção da RTP;
na TVI, a ex-velha e atarantada ex-ministra das Finanças e do Fandango vário Ferreira Leite puxa pela TVI;
para compor o ramalhete só falta outro baronete-tiranete Marques Mentes, irrelevância e não propriamente pelo tamanho, defender a SIC onde comenta de que a Liga Europa é que está a dar porque Benfica e Sporting lá podem ir calhar.
 
Isto sem alguém se rir. Este País é um colosso, está tudo grosso, está tudo grosso - cantava a outra.

Blatter com clubes não será como o Ceausescu com Isabel II?

Ao longo de muitos anos, e salvo raríssimas excepções meramente protocolares e derivadas de homenagens a clubes como o Real Madrid ou o Manchester United, por exemplo, devido a alguma data ou protagonismo históricos dos meses, sempre percebi que a FIFA não lidava com clubes nem sequer para os castigar, a não ser através das entidades com que institucionalmente lhe compete colaborar, as federações.
 
São as federações, unidades familiares do macrocosmos que é a FIFA, que falam com os diversos departamentos da FIFA ou, no limite, até com o seu presidente, Blatter, directamente. Idem com a UEFA.
 
 
Não queria voltar a falar de alguém que, por muito protagonista que queira ser, não merece um palmo de terra que pise nem um segundo de atenção que suscite as suas patacoadas infindas. E não vou fazê-lo.
 
A questão aqui é dar-se cobertura noticiosa a um evento que não se sabe se aconteceu e que os organismos citados não confirmam.
 
O pasquim em causa pode remeter para o comunicado do clube, sem o linkar no online. Mas a sua verificação, do tal encontro, não existe, apenas plasma o que um clube alegadamente veicula. Sabemos como isto se chama e os bois têm nome bem identificado.
 
Isto faz-me lembrar aquelas notícias, reais lá na terrinha mas desmentidas na Europa verdadeira, como a de Ceausescu ter sido recebido pela Rainha de Inglaterra, Isabel II, algures quando o caos se abatia sobre a Roménia e a Revolução não tardaria a derrubar o regime. Fará na véspera de Natal, daqui a pouco mais de um mês, 25 anos da queda do ditador romeno, depois fuzilado e cujas imagens o final de 1989 não esconderam, isso sim, da opinião pública.
 
Para quem já chamou regime norte-coreano ao sistema presidencialista de Alvalade, esta versão mais amena, romena, igualmente mentirosa e achincalhante, dessa prática também não deixa de fazer-nos sorrir.
 
E quanto a quem controla a Informação,impõe a censura até no Parlamento e impede a liberdade de expressão, também vamos tendo por cá os tiranetes que se aprestam para ousarem voltar ao poder discricionário e atentatório que nos levou ao fundo.
 
 
Parabéns aos primos.

20 Novembro 2014

RTP: o arquivo e o saco sem fundo

 
Não sei para que serve o que o FC Porto, imagino que para o Torto Canal, recorre ao arquivo da RTP. Aliás, nem é certo, apesar do descrito na notícia, que seja por causa de Desporto, pode ser para a secção Política, já que há uma redacção qualquer em Lisboa...
Já o Benfica, parece normal, a tv do Estado sempre esteve ao seu serviço e um e outra confundiram-se sempre com o regime.
 
 
Não sei se fará diferença ver os jogos aqui ou ali. De qualquer modo, ainda bem que não dá na SIC, que não vejo e evito abrir excepções para o futebol que por ali é ainda mais maltratado do que na concorrência.
 
Irá a RTP inovar - não exageremos: fazer diferente é mais apropriado - face à evolução da TVI no formato mais "europeu" mas ainda assim muito palavreado muito mais do que qualquer canal europeu sobre o mesmo assunto?
 
Lá teremos a menina dos faróis de nevoeiro à noite - a TVI supriu bem a saída da boca de sapo pateta e a menina apresentada e apresentável tem pinta para aquilo - com o rame-rame do Tadeia para adormecermos mais cedo.

A não ser que, obviamente sob a tutela estatal, a RTP seja mais um veículo eleitoral para o Governo: bora lá dar bola aos tugas.

Ou serão isto, alargando o perímetro orçamental onde passa a caber tudo e um par de botas, gorduras do Estado como outras quaisquer?...

ACTUALIZADO: tinha-me esquecido disto para contextualizar o arquivo da RTP e a utilidade deste bem público que pode ser alvo, também, de chantagem do serviço público e de pilhagem política até...

Do saco sem fundo e do serviço público bem custoso que substituiu um serviço público, em sinal aberto, sem custo para ninguém e pago pela publicidade...

este argumento parte de um bom princípio demonstrativo com a puta da ordinarice tonta justificativo...

Como diz o outro por fim: querem socialismo? TÊM SOCIALISMO!
 
Livrai-nos, Senhor, de todo o Mal...

19 Novembro 2014

Esta do Grammy Latino faz-me lembrar a taça latrina

Tenho imenso gosto em ouvir o cantor Carlos do Carmo, dos poucos artistas que posso dizer que já vi e ouvi ao vivo, uma voz fantástica em canção com mais ou menos fado. Sou um fá incondicional, com a ressalva de não ser um melómano: ouço de tudo, mas não ouço muito tempo de tudo, seja fado ou ópera, blues ou rock.
 
Lamento que se dê tanto destaque, e o próprio se iluda tanto com isso, sobre um prémio que ele e tantos confundem com o Grammy mesmo.
 
Talvez Carlos do Carmo acredite, como outros pategos, que o seu clube tem um troféu "válido" e reconhecido internacionalmente como a taça latrina cuja organização não era organizada sob os auspícios de quem quer que fosse e, por isso, não tem a legitimidade de um troféu europeu - a UEFA só foi fundada em 1954 - e não pode emparelhar no rol de vitórias internacionais como não podem os vencedores da antiga Mitropa, ainda que possam mencionar nos seus currículos e historial que não faz mal nenhum.
ACTUALIZADO
É, noutro plano mas com o mesmo fundo mental, como confundir o que este Governo fez no caso BES/GES com o que o Governo anterior fez no caso BPN(SLN. Há muito parolo que vê as coisas pelo mesmo prisma e cristaliza ideias tão diferentes como mijo de água de colónia.

Ou, ainda, pensar como se atribuem Vistos Gold ou se tornam sócios como nem Groucho Marx enjeitaria. Só para esse coisa do clube com mais isto ou mais aquilo, fazendo jogadores profissionais criancinhas amestradas nas figuras mais ridículas atendendo a que até para serem jogadores têm de se fazer sócios do clube que lhes paga para eles pagarem as quotas - ou será como o amigo do Vieira que pagava as dele?
 
Este é, afinal, o fado de uma certa maneira tuga de ser e de estar.
 
Não é por isso que o Carlos do Camo não deixa de ser, para mim e para muitos, o maior. Mesmo. (não confundir com o mais grande...)

Perder a bola é mesmo um problema


 
 
 

17 Novembro 2014

A rainha vai mesmo nua

A superficialidade tão observada em praticamente todos os actos comuns da vida quotidiana é uma marca da época. Confirma a versão do relativismo como maleita difundida por uma chamada intelectualidade que destrói, afinal, os princípios da razão e, em suma, da humanidade. Esse avanço gramsciano é tão desfasado no tempo quanto hoje era suposto haver mais informação e melhor formação mas parece funcionar ao contrário.
 
 
Uma bela moça leva as carnes melhores à mostra mas, como estão muito bem disfarçadas com camadas de tinta, parece passar despercebido. Não devia, mas percebe-se que é assim. Olhar atento detectaria o latejar das nádegas flagrantemente perceptível, como se estivesse em fato de banho - e, de facto, ela leva uma cueca fio dental. Bolas, aquilo são duas belas nádegas, como se diz na gíria, a dar a dar!
 
A notícia, contudo, suportada nas imagens - mas não temos TODAS as imagens! -, diz que as pessoas nem notam. No fim, alguém notou e tirou foto com o telemóvel. Ela, mesmo de costas, percebeu que foi "flagrada". De facto, se do outro lado da rua poderia passar o "engano", quem seguir atrás da moça, mais do que cruzar-se de frente com ela, não tem dificuldade em perceber a marosca.
 
Uma firma portuguesa diz que vai fazer uns jeans que siervirão para qualquer número, para magras e gordas, tal a sua elasticidade. Porreiro, pá. Este vídeo poderia ser promocional dessa marca (que não sei qual é, não sou de marcas e não compro publicidade nem de borla!). Bastava usar vários modelos de vários pesos e dimensões, pintá-los de igual modo e a marca de jeans teria uma promoção fantástica. Com a superficialidade que se retira da notícia acima e do vídeo que a enquadra, deveria ser assim. Depois, o relativismo com que se olha o desnudar crescente do mulherio hoje em dia fará o resto, mesmo com aplausos ou apupos de várias barricadas feministas e com as quais estou a marimbar-me.
 
Tivemos há dias um vídeo, norueguês soube-se depois, de um alegado pequeno herói sírio que, no meio de um tiroteio, entrou em acção e retirou uma criança mais pequena da zona de tiro. Os telejornais da treta embarcaram, TODOS, naquilo como se fosse verdade. Estamos a falar de gente, dos telejornais TODOS, habituada a lidar com imagens e que era suposto ser experiente nessa visualização. Mas alguém as vê com olhar crítico e experiente de digno "expert"? Ou não os há, afinal? Ou ninguém vê como deve ver e qualquer merda entra - é um facto! - nos telejornais TODOS?
 
Torci logo o nariz à veracidade daquilo; dias depois, após a confissão do engano deliberado do realizador norueguês, os telejornais TODOS reconheceram que foram ludibriados.

Temos diariamente nas tv's da parvalheira coisas que atentam contra a inteligência, logo a dignidade, de seres racionais, maduros, experientes e que são mesmo capazes de dizer que a rainha vai nua. Mas nas tv's da parvalheira nem os pacóvios pivots da treta - que ganham uns extras para comprar fatos e vestimentas catitas, que a maquilhagem vai por conta da casa para ficarem muito bonitos nas pantalhas - e muito menos os delinquentes editores avaliam as coias como deve ser - e sai uma mistela inacreditável de boçalidade e irrelevâncias da mais frioleira estupidez.
 
Mas alguém, a despeito de inúmeras queixas que chegam aos provedores que não são "provadores" de coisa alguma de tão insossos eles são também, vê alterações não só nos figurinos programáticos como nos figurões desses programas das pantalhas?
 
No sábado tivemos mais um exemplo e um calafrio da ignorância e aviltamento de um telejornal que decidi ver, abrindo uma excepção a uma regra minha de há anos: na SIC, perante uma parva jornaleira de serviço como outro colega qualquer pois ninguém faria diferente, Marques Mendes deu-se ao desplante de dizer que era sócio de uma empresa mas com a qual nada tinha a ver, nem sequer imaginando a sua actual existência!!! Não lhe foi avançada qualquer pergunta sobre a sua responsabilidade como sócio e implicações de, detendo uma quota (da qual não se desfez, porque não disse tê-lo feito), ser chamado não só a dividir lucros, se os houver, mas seguramente a partilhar despesas, que terá de haver.
 
Isto passou-se com um ex-candidato a PM, membro do Conselho de Estado, advogado e "parecerístico" que oferece os seus serviços de consultoria supostamente por ser experiente nesse campo e reforçado por múltiplas ramificações da sua actividade política. Fiz a pergunta a mim mesmo logo diante do televisor e deixei-a no Observador num comentário à notícia. Passaram vários dias e nenhum jornal, nenhum jornalista, pegou na questão. MM tremeu como varas verdes e o seu sorriso não era laranja, era amarelo, quase de diarreia, mas o disfarce mental perante uma jornalista "amiga", sensaborona, parcial, ignorante, desqualificada para a função e menorizada enquanto tal passou. No dia seguinte, MM passou a limpar-se daquela maneira nos telejornais TODOS!
 
Acho que o relativismo, a superficialidade e a sub-informação e pseudo-informação acabam demonstradas se eu lembrar a estrutura do tal jornal da noite da SIC, na sua habitual hora e meia de nada de relevante noticiado.
10'-12' com o tema dos Vistos Gold;
intervalo (demorado);
meia hora de não-notícias sobre nenhuns avanços na saúde da bebé do Dubai, na busca de um montanhista em Espanha e uma reportagem de rua sobre a publicidade a uma freguesia de VFX por causa da Legionella;
meia hora de vulgaridades realmente sic transit gloria mundi de canções, cantores, ex-misses de que ninguém lembra e, claro, uma pitada de cozinha, como é devido num telejornal da treta, sem o qual noticiário algum televisivo fica apimentado.
E uma hora depois do tema do dia, a passagem às explicações de Marques Mendes. Aquelas sem perguntas difíceis.
 
Isto é o mesmo, por sinal no mesmo canal, que passar a explicar um não-fora-de-jogo com simulação técnica de duas linhas paralelas - por definição linhas que no limite só se encontram NO INFINITO! - que, por artes do diabo, se encontram logo ali a 40 metros a meio de uma bancada para os telespectadores idiotas comerem o argumento da validade do fora-de-jogo assinalado a um gajo do Rio Ave que marcou um golo, invalidado, ao Benfica.
 
Na esteira de programas como "Isto só Vídeo, que creio serem da mesma estação televisiva há tempos, não há muito a acrescentar.
 
Nem pretendia perder tempo com estas tretas, nem os temas da bola indígena motivam a pausa sabática a que me propusera, deixando amadurecer o vídeo de Villaret, claramente, de outros tempos mas que se parecem tão actuais com a diferença de antes haver, além de a preto e branco, um SÓ CANAL e hoje tantos canais PARECEREM UM SÓ.
 
Não quis falar, nem o farei mais, das boutades do grunho do carvalho, das misérias da Liga e os beneméritos Porto e Benfica em seu socorro, das vitórias pífias da Selecção, das arbitragens, do Proença ou do vi-te ó Pereira. Considero-me bastante informado, como se tivesse tirado um curso. E, contudo, acho que as pessoas em geral vêem só o acessório e não o essencial, porque são tratadas como animais a formatar à falta de saberem aprender por si próprias.
 
I rest my case.

12 Novembro 2014

Balanço de 10 jornadas de bola tuga

Tocam os sinos na torre da Igreja
há rosmaninho e alecrim pelo chão
Na nossa aldeia, que Deus a proteja
Está' passar a procissão

video
 
(...) o Povo ajoelha
ao passar o andor
Na nossa aldeia
não há mais bonito
que estes passeios
do Nosso Senhor

11 Novembro 2014

Patrocinar a trafulhice já que o futebol deslumbrante vai em 8º lugar

Há um vazio competitivo para gerir ate final do mês, para a próxima jornada, na perspectiva do FC Porto, eliminado da Taça que retomará o seu fluxo conta-gotas depois dos jogos das selecções.
 
Os pasquins lisbonenses podem dedicar dias inteiros aos feitos glorigozos do clube do andor e fiéis arbitragens em romaria. Sem receio de levarem com a azia dos rivais com pouca vontade e feitos de voltarem aos escaparates e parangonas.
 
As nomeações a dedo protegeram o Benfica da queda do altar, mas o Benfica será o último, tão caladinho anda, a querer publicidade gratuita e liderança tão sujinha. sujinha.
 
Já o actual 8º classificado, caiu do altar do futebol deslumbrante depois de semanas a fio subjugando opinadores com a excelência do seu futebol da treta que basicamente deu para ganhas aos últimos da tabela e sem conseguir bater qualquer um dos que lhe estão por cima (e ainda falta o Braga...).
 
Vai ser giro inventar a valer para manter o nível de sarjeta das vendas para a sobrevivência.
 
É um consolo, em especial para quem nem sequer lê a pasquinagem tuga tão caladinha na sua Herdade Desportiva.

Mais uma especial de corrida que deixa todos para trás quanto ao entendimento dos negócios da bola

Como é no benfas nem vai fazer alarido, só manchetes com mais uma criatividade de gestão para os basbaques se babarem extasiados.